terça-feira, março 07, 2006

Carta a uma Amiga

Querida Clara,
Faz hoje 15 dias que me falaste o teu drama tão bem escondido, que eu, amiga de longa data nunca consegui perceber. Tentei te ligar mas em vão. Nao atendes o telefone. Vou a tua casa mas tirando o som com que a campanhia ninguem mais responde.
Porque foges de mim?
Ha 15 dias atras parte de mim fluiu a mingua das tuas lagrimas. Nunca pensei que os teus sonhos e castelos cor-de-rosa se tivesse transformado em algo que tão bem disfarças entre os presentes. Sempre que alguem fala de casamentos perfeitos, era sempre a ti que eu citava. Não o posso mais fazer. Não me pesa esse facto mas sim o facto de saber que a tua dor é silenciosa e que o sorriso é aparente! E isso custa me tanto por afinal sempre foste a minha " irmazita" caçula que sempre tentei proteger.
Escrevo-te esta carta, sabendo que não a vais ler... Porque sei que me vais dizer que eu nao tenho razão de dizer. Mas digo (e direi te quando voltares a falar comigo)! Não se pode gostar de alguém (Pelo menos nao deviamos) que não nos respeita e usa a força e o volume da voz como forma de coacção. Temos de mostrar antes de mais que gostamos de nos próprias e o respeito é algo nunca a imacular, seja em que tipo de relação seja.
Quem nos falta ao respeito nao nos merece, querida Amiga.
Agora penso melhor e acho que talvez devas ler este trecho... Tu e outras mulheres que sofrem em silêncio como tu, vitimas da mais brutal força de violência que aquela imposta por quem juraste "Amar na saúde e na doença ...e em todos os dias das nossa vidas!"

Custa me escrever isto em pleno Séc XXI...
Mas custa me mto mais saber que sabes isso tanto eu...e por isso nao me atendes o telefone!
(Vou tentar outra vez...nao desisto, pequena!)


P.S. aos vistantes deste blog: Infelizmente é um caso verídico e o nome aqui empregue não corresponde ao verdadeiro.

posted by In perfeita @ 9:50 da tarde 

|